..
O SUSPENSE E SUAS VARIAÇÕES
..
....
Tecnicamente, define-se o Suspense como o momento no qual predomina um sentimento de apreensão, e no cinema é o recurso de narrativa que busca provocar no espectador este sentimento. Este momento de apreensão foi um recurso que sempre foi utilizado pelos cineastas deste o começo do cinema para dar emoção as cenas de seus filmes. No entanto, era um recurso apenas, e não um gênero. Mas com o passar do tempo, assim como a comédia e o próprio drama, o suspense teve que ser catalogado como um gênero independente por causa dos inúmeros filmes que procurava-se se sustentar, do início ao fim, baseado neste tema: o da apreensão. Daí a necessidade de explicar, não o que é o suspense, mas o que é este gênero chamado suspense. Creio que a maneira mais plausível de tentar explicar o gênero é fazer uma comparação com o que chamamos Suspense e o que chamamos Terror, por exemplo. Isto porque muita gente pensa que tal filme é de suspense, quando é de terror, e outro fala-se que é de terror quando é de suspense. No entanto, como a figura acima bem exemplifica, também está presente e está associado a outros gêneros, subgêneros, movimentos e estilos, como: o filme de ação, aventura, film noir, policial, drama, ficção científica, etc.
..
..
O SUSPENSE E O TERROR
..
Imagine uma cena em que o personagem entra num prédio e toma um elevador que o levará ao 15º andar. Mesmo antes dele entrar no prédio o espectador é avisado que alguém colocou uma bomba no elevador. De modo que enquanto ele caminha para o elevador é mostrada alternadamente a sua tranqüilidade no caminhar e a bomba sinistramente instalada num canto alto do elevador e ligada a um dispositivo que será acionado quando o homem apertar o andar que pretende ir. O homem entra no elevador aperta o andar pretendido e tranquilamente volta ao jornal que estava lendo. O espectador que tudo havia acompanhado até aquele momento, vê que a bomba foi acionada e passa a acompanhar o perigo que o homem está exposto (que não sabe de nada), no entanto, o espectador não pode fazer nada, apenas se contorce em sua tensão. Quando a bomba está na iminência de explodir alguma coisa acontece: o homem percebe a bomba no elevador ou alguém misteriosamente avisa-o por um celular ou alguém mais misteriosamente ainda entra em ação para salvá-lo. Seja como for, ele se salva! Ou aperta um botão e sai imediatamente do elevador que em seguida explode ou uma pessoa faz com que o elevador pare num andar antes do previsto e retira-o rapidamente do interior do elevador que em seguida explode. A música desde o início é aquela característica de cenas como esta que acompanha o desenrolar e se intensifica quando a bomba é acionada e chega ao clímax nos momentos finais da cena quando o personagem percebe o perigo.
Isto é o SUSPENSE!
..
Agora imagine a mesma cena sendo realizada de maneira que nem o personagem e nem o espectador saiba que existe uma bomba no elevador. O personagem tranquilamente caminha para o elevador. O espectador, embora saiba que alguma coisa vai acontecer, ele fica na expectativa, mas não apreensivo. Já que ele não sabe o que vai ocorrer. Porém, no momento em que o personagem aperta o botão do andar pretendido, a bomba dispara a sua contagem e no momento em que o personagem descobre que isto está ocorrendo o espectador também descobre junto com ele. O personagem leva um susto e o espectador também. A partir daí o personagem entra em desespero e o espectador (dependendo da qualidade da cena) fica também completamente perturbado com a situação. Então quando a bomba está para explodir, podem acontecer duas coisas: segundos antes da explosão o personagem consegue sair um andar antes ou alguém de forma misteriosa consegue retirá-lo um andar antes da explosão. Ou então a câmera dá um corte e mostra (sem detalhes) apenas a explosão quando o personagem vai desta para outra melhor, aí temos, tanto num caso como no outro, o TERROR CLÁSSICO. Porém, pode acontecer de quando o personagem descobre e desesperadamente tenta de tudo para se safar e não conseguindo o pior acontece. Isto é, a bomba explode e o personagem vai desta para uma melhor; porém, com a diferença de que a câmera mostra com detalhes o momento da explosão: com o terror estampado do personagem e as suas partes sendo lançadas aos quatro cantos, com close e tudo a que tem direito. Neste caso temos o TERROR EXPÍCITO.
E nos dois casos, temos o TERROR.
..
Resumindo, o SUSPENSE é quando o espectador sabe o que vai acontecer e torce para que o personagem se dê conta e se safe do perigo. TERROR é quando nem o personagem e nem o espectador sabe o que vai acontecer e quando o fato acontece os dois levam um susto e ficam completamente apavorados até o final da cena.
..
Antes de entrar em detalhes sobre este tema que é muito interessante, gostaria de ressaltar algumas coisas:
..
Primeiro que no exemplo acima eu poderia ter usado um louco homicida, sendo que no primeiro caso o espectador saberia que o criminoso estava à espreita para atacar a vítima e ficaria torcendo para que ela se desse conta e conseguisse se salvar. Neste caso teríamos o SUSPENSE.
..
Segundo, o espectador acompanha o caminhar do personagem, sendo surpreendido junto com a vítima com o ataque do louco homicida. Neste caso tanto o personagem quanto o espectador levariam um susto e ficariam apavorados com o perigo. Se o personagem conseguisse se salvar ou alguém o ajudasse para salvá-lo; ou, na pior das hipóteses não fosse mostrado, com um corte, a cena em que o assassino o matasse, teríamos o TERROR CLÁSSICO. Ou então se apesar de todos os esforços do personagem, ele não conseguisse fugir do assassino e não aparecesse ninguém (ou aparecesse, mas não desse tempo) para ajudá-lo, o assassino o pegasse e o matasse; porém com uma diferença: a câmera mostrasse em detalhes a ação do assassino e o pavor da vítima sendo esquartejada, aí teríamos o TERROR EXPLÍCITO.
..
Reforcei com este exemplo porque é necessário dizer que tanto o suspense quanto o terror é normalmente provocado por três tipos de elementos: por uma situação ou coisa (no primeiro exemplo, a “viagem” de elevador e a bomba); por pessoas, isto é, os mais diferentes tipos de assassinos e loucos homicidas (neste caso temos os exemplos do assassino do filme “Psicose” de 1960 de Alfred Hitchcock ou o louco homicida chamado “Jason” do filme “Sexta-feira 13”); e fatos ou coisas misteriosas (como o misterioso caminhão do filme “O Encurralado” que tentava matar o personagem ou o mistério do ser que possuía a menina no filme ‘O Exorcista”.).
..
Por fim, podemos fazer uma correlação entre os gêneros e suas diversidades.
..
O TERROR, por exemplo, já especificamos que ele pode ser clássico ou explícito. Mas ele pode ter outras especificações: como o TERROR PSICOLÓGICO, quando coisas misteriosas acontecem e que o espectador fica na dúvida do que é real ou imaginário. Um exemplo é o filme “O Iluminado” de Stanley Kubrick, em que o personagem de Jack Nicholson sofre uma transformação por causa das coisas misteriosas do hotel em que ele foi trabalhar e levou sua mulher e filho. Detalhe que a mulher dele e nem o filho, apesar das perturbações, não sofreram nenhuma alteração, mas ele sim. Então fica a dúvida do espectador se as aparições ocorreram de verdade ou já era o fato da debilidade mental do personagem que estava em curso. Tem outros exemplos, inclusive, clássicos, mas fiquemos apenas neste.
..
Temos também um outro tipo de TERROR que alguns não sabem a diferença, mas na verdade, é uma espécie de subgênero do TERROR. Estou falando do HORROR, aquele tipo de TERROR que é provocado por coisas ou pessoas horripilantes, que dão medo, pavor e nojo. Filmes como o próprio “O Exorcista” quando o ser transfigura a pessoa transformando-a numa “coisa” medonha. Nesta classe entram os filmes de vampiros e outros em que o TERROR é provocado pelo HORROR das aparições dos monstros.
..
Agora, falo da inteiração entre os gêneros. Que quase todos os filmes de TERROR tenham alguma dose de suspense, isto é comum. Mas falo de quando o SUSPENSE se transforma num TERROR. Existe um termo muito conhecido dos cinéfilos que é o SUSPENSE TERROR.
..
Bem, tomemos o exemplo do filme “Psicose” de Alfred Hitchcock, é um filme de suspense, porém, com características acentuadas de terror. Isto porque, em momento algum, o filme adverte o espectador o que vai acontecer, até segundos antes do assassinato (neste momento é SUSPENSE) em que vemos o assassino com a faca em punho se dirigindo ao banheiro, mas nada acontece para impedir a tragédia. Então o assassino mata a facadas a protagonista que cai gritando desesperadamente. Neste momento temos um TERROR EXPLÍCITO.
..
Por isso que “Psicose” que é, tecnicamente, um filme de suspense, ganhou entre os críticos americanos como o melhor filme de terror já feito. Superando, inclusive, grandes filmes de terror clássico e terror explícito.
..
Para finalizar, quero dizer que todas as vezes que me perguntam qual o meu gênero preferido, sempre respondo que são: o drama, a comédia e o suspense. Isto porque todos eles, além de seus gêneros próprios, sempre são participantes, de um jeito ou de outro de outros gêneros.
..
Abaixo dou um exemplo do suspense no transcorrer de sua história em suas várias conotações:
..
..
Suspense: 49 filmes!
.. ..
video
..
....